Morrendo pela Boca

Você sabe o que está comendo?

Agência Nacional de Vigilância Sanitária quer informar a população sobre os riscos do consumo de alguns produtos, mas indústrias dos alimentos e da publicidade insistem na desinformação.

Se so­mos o que co­me­mos, co­mo de­fen­de a mé­di­ca Gil­li­an McKeith em seu li­vro “Vo­cê é o que Vo­cê Co­me!” (Ed. Ale­gro), de­ve­mos sa­ber o que co­me­mos ou o ris­co da ali­men­ta­ção que ado­ta­mos. Foi o que pro­pôs uma re­so­lu­ção da Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa), pu­bli­ca­da no dia 29 de ju­nho, que diz: pro­du­tos com al­ta quan­ti­da­de de açú­car, gor­du­ra trans, sa­tu­ra­da e só­dio e be­bi­das com bai­xo te­or nu­tri­cio­nal, co­mo os re­fri­ge­ran­tes, de­vem vir acom­pa­nha­dos de aler­tas so­bre os ris­cos à sa­ú­de cau­sa­dos pe­lo con­su­mo ex­ces­si­vo des­sas sub­stân­cias. Co­mo já acon­te­ce com o ci­gar­ro.

Só pa­ra re­cor­dar, a de­fe­sa da in­dús­tria do ta­ba­co se ba­seia no li­vre ar­bí­trio do fu­man­te, que mes­mo sa­ben­do do mal cau­sa­do pe­lo fu­mo, as­su­me o ris­co de fu­mar. No ca­so dos ali­men­tos com es­tas sub­stân­cias em ex­ces­so, não há es­co­lha vo­lun­tá­ria, uma vez que o con­su­mi­dor não co­nhe­ce os ris­cos a que es­tá su­jei­to. As pro­pa­gan­das de re­fri­ge­ran­tes com ou sem açú­car, sor­ve­tes e ener­gé­ti­cos, por exem­plo, mos­tram pes­so­as sa­u­dá­veis e atra­en­tes. No ca­so de pro­du­tos pa­ra cri­an­ças, a pu­bli­ci­da­de é ain­da mais da­no­sa por­que a cri­an­ça não con­se­gue dis­tin­guir a pro­pa­gan­da da re­a­li­da­de.

A re­so­lu­ção pu­bli­ca­da pe­la An­vi­sa con­ce­deu às em­pre­sas o pra­zo de seis mes­es pa­ra pas­sar a in­for­mar no ró­tu­lo e na pro­pa­gan­da do pro­du­to que, por exem­plo, a in­ges­tão de ali­men­tos com mui­ta gor­du­ra trans e sa­tu­ra­da, co­mum em bo­la­chas e sor­ve­tes, ele­va as chan­ces de do­en­ça do co­ra­ção e os ris­cos de di­a­be­tes e que a quan­ti­da­de ele­va­da de só­dio, pre­sen­te nos re­fri­ge­ran­tes di­et e light, au­men­ta o ris­co de pres­são al­ta e de do­en­ças do co­ra­ção. A me­di­da se es­ten­de a re­fri­ge­ran­te, re­fres­cos ar­ti­fi­ci­ais e be­bi­das com ca­fe­í­na, tau­ri­na, glu­co­ro­no­lac­to­na ou qual­quer sub­stân­cia que atue co­mo es­ti­mu­lan­te no sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, pre­sen­te nos ener­gé­ti­cos. No ca­so de ali­men­tos com mui­to açú­car, por exem­plo, te­rá que ser aler­ta­do que, se con­su­mi­do em gran­de quan­ti­da­de, au­men­ta o ris­co de obe­si­da­de e de cá­rie den­tá­ria.

A in­dús­tria da ali­men­ta­ção e o mer­ca­do pu­bli­ci­tá­rio re­a­gi­ram à me­di­da. Uma se­ma­na de­pois da pu­bli­ca­ção da re­so­lu­ção da An­vi­sa, as en­ti­da­des li­ga­das a es­tes se­to­res pu­bli­ca­ram nos prin­ci­pa­is jor­nais do Pa­ís o ar­ti­go “Em de­fe­sa do Es­ta­do de di­rei­to”, ale­gan­do a in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da me­di­da e a fal­ta de com­pe­tên­cia da An­vi­sa pa­ra le­gis­lar so­bre pro­pa­gan­da co­mer­cial. O ar­gu­men­to é de que a re­so­lu­ção ofen­de o ar­ti­go 22, XXIX da Cons­ti­tu­i­ção, que diz que “com­pe­te à lei fe­de­ral dis­por so­bre pro­pa­gan­da de pro­du­tos, prá­ti­cas e ser­vi­ços que pos­sam ser no­ci­vos à sa­ú­de”. A Cons­ti­tu­i­ção ci­ta ape­nas o ta­ba­co, os re­mé­di­os, be­bi­das al­co­ó­li­cas e agro­tó­xi­cos.

Di­an­te da pres­são dos dois se­to­res, a Ad­vo­ca­cia Ge­ral da Uni­ão (AGU) de­ci­diu sus­pen­der a re­so­lu­ção pa­ra ana­li­sar a com­pe­tên­cia da An­vi­sa pa­ra re­gu­la­men­tar o mer­ca­do pu­bli­ci­tá­rio. A AGU já se po­si­cio­nou con­tra a An­vi­sa em ma­té­ria se­me­lhan­te. Em ju­nho do ano pas­sa­do, sus­pen­deu as re­gras pres­cri­tas pe­la agên­cia pa­ra a pro­pa­gan­da de me­di­ca­men­tos, que obri­ga­va a in­dús­tria a aler­tar o con­su­mi­dor so­bre os da­nos à sa­ú­de após ca­da co­mer­cial. Con­se­guiu ape­nas man­ter a ad­ver­tên­cia “Se per­sis­ti­rem os sin­to­mas, o mé­di­co de­ve­rá ser con­sul­ta­do”.

Es­ta não é a pri­mei­ra in­ves­ti­da con­tra ali­men­tos que fa­zem mal à sa­ú­de e, em es­pe­ci­al, aos re­fri­ge­ran­tes. Em 2004, a Co­mis­são de Edu­ca­ção apro­vou um pro­je­to de au­to­ria da se­na­do­ra Lú­cia Vâ­nia (PSDB) que de­ter­mi­na que as pro­pa­gan­das de re­fri­ge­ran­tes de­vem con­ter ad­ver­tên­cias aler­tan­do os con­su­mi­do­res so­bre os ma­le­fí­ci­os do pro­du­to pa­ra a sa­ú­de, es­pe­ci­al­men­te pro­ble­mas com obe­si­da­de. De acor­do com o tex­to, as ad­ver­tên­cias de­vem ser fa­la­das ou es­cri­tas, de acor­do com as ca­rac­te­rís­ti­cas do meio de co­mu­ni­ca­ção, e o des­cum­pri­men­to da de­ter­mi­na­ção su­jei­ta os in­fra­to­res a san­ções que vão da ad­ver­tên­cia à apre­en­são do pro­du­to e à sus­pen­são da pu­bli­ci­da­de, com a pos­si­bi­li­da­de de apli­ca­ção de mul­tas que che­gam a 30 a mil sa­lá­ri­os mí­ni­mos.

A se­na­do­ra ci­tou a obe­si­da­de cres­cen­te, que vem se tor­nan­do um pro­ble­ma de sa­ú­de pú­bli­ca, pa­ra jus­ti­fi­car o pro­je­to. Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de, o nú­me­ro de ado­les­cen­tes com ex­ces­so de pe­so no Bra­sil pas­sou de 8,3% pa­ra 18% en­tre 1989 e 2003. A se­na­do­ra ar­gu­men­ta que a pu­bli­ci­da­de des­tes pro­du­tos é di­re­cio­na­da prin­ci­pal­men­te a cri­an­ças e ado­les­cen­tes. O pro­je­to tra­mi­ta em con­jun­to com di­ver­sas ou­tras ma­té­rias e se en­con­tra na Co­mis­são de Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia, Ino­va­ção, Co­mu­ni­ca­ção e In­for­má­ti­ca des­de de­zem­bro do ano pas­sa­do.

Ação

Mais re­cen­te­men­te, em abril des­te ano, a As­so­cia­ção Na­ci­o­nal pa­ra De­fe­sa da Ci­da­da­nia, Meio Am­bi­en­te e De­mo­cra­cia (Amar­bra­sil) en­trou com uma ação na Jus­ti­ça Fe­de­ral, em Bra­sí­lia, con­tra a Uni­ão e a An­vi­sa, pe­din­do um pla­no pa­ra im­por às in­dús­tri­as, dis­tri­bu­i­do­res e ven­de­do­res de re­fri­ge­ran­tes a obri­ga­ção de ad­ver­tir o con­su­mi­dor, es­pe­ci­al­men­te in­fan­tis e ado­les­cen­tes, so­bre os ris­cos quan­to ao con­su­mo ex­ces­si­vo do pro­du­to.

Na ação, a en­ti­da­de exi­gia a in­ser­ção nos ró­tu­los e co­mer­ci­ais de re­fri­ge­ran­tes ve­i­cu­la­dos na in­ter­net, te­le­vi­são e rá­dio as se­guin­tes ad­ver­tên­cias: “o con­su­mo ex­ces­si­vo des­te pro­du­to po­de cau­sar obe­si­da­de, cân­cer de pân­cre­as, os­te­o­po­ro­se e pro­ble­mas den­tá­rios” e “não sub­sti­tua o con­su­mo di­á­rio de água por es­te pro­du­to”. In­di­car nos va­si­lha­mes, em le­tras le­gí­veis e des­ta­ca­das, a quan­ti­da­de di­á­ria má­xi­ma de con­su­mo re­co­men­da­da do pro­du­to, con­for­me a fai­xa de ida­de do con­su­mi­dor, li­mi­tar a ven­da de re­fri­ge­ran­te ao va­si­lha­me de 1,5 li­tro.

Se­gun­do a ad­vo­ga­da da en­ti­da­de, Najla Lo­pes Cin­tra, a re­so­lu­ção da An­vi­sa aten­de em gran­de par­te o pe­di­do pa­ra Amar­bra­sil, mas co­mo se es­ten­de a uma gran­de ga­ma de pro­du­tos, não atua es­pe­ci­fi­ca­men­te em re­la­ção ao re­fri­ge­ran­te. “Não exi­ge que o fa­bri­can­te des­ta­que no ró­tu­lo e na pu­bli­ci­da­de o con­su­mo má­xi­mo di­á­rio pa­ra que o pro­du­to não in­ter­fi­ra no de­sen­vol­vi­men­to da cri­an­ça e na sa­ú­de do con­su­mi­dor”, exem­pli­fi­ca.

A ad­vo­ga­da con­ta que a en­ti­da­de não só vai man­ter a ação na Jus­ti­ça Fe­de­ral “pa­ra que a re­so­lu­ção da An­vi­sa se­ja mais efi­caz e atue mais no fo­co dos re­fri­ge­ran­tes”, co­mo vai in­clu­ir na ação to­das as en­ti­da­des que as­si­na­ram o ar­ti­go “Em de­fe­sa do Es­ta­do de Di­rei­to”. “Elas pas­sa­ram a ser ne­ces­sá­rias no po­lo pas­si­vo da ação”, ex­pli­ca Najla Cin­tra. Em re­la­ção ao ar­gu­men­to das in­dús­tri­as de ali­men­tos e da pu­bli­ci­da­de, de que a An­vi­sa não tem com­pe­tên­cia pa­ra le­gis­lar so­bre pu­bli­ci­da­de, a ad­vo­ga­da afir­ma que a agên­cia “não es­tá le­gis­lan­do, es­tá re­gu­la­men­tan­do o se­tor”.

A co­or­de­na­do­ra da Su­pe­rin­ten­dên­cia da Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria de Go­i­ás, Már­cia Re­gi­na de Mou­ra Di­as, ob­ser­va que ca­be à An­vi­sa aler­tar so­bre o ris­co dos pro­du­tos uma vez que os ali­men­tos es­tão re­la­ci­o­na­dos com uma di­e­ta sa­u­dá­vel e re­fle­tem na sa­ú­de pú­bli­ca. “E a pro­pa­gan­da in­ter­fe­re di­re­ta­men­te na es­co­lha e no con­su­mo dos ali­men­tos”, afir­ma. Már­cia Di­as ex­pli­ca que a ali­men­ta­ção es­tá re­la­ci­o­na­da com as do­en­ças crô­ni­cas não trans­mis­sí­veis, co­mo hi­per­ten­são, obe­si­da­de e di­a­be­tes. “E o que se per­ce­be é que es­tas do­en­ças es­tão cres­cen­do.”

Na opi­ni­ão da su­pe­rin­ten­den­te, se a pro­pa­gan­da in­for­mar so­bre os ris­cos do pro­du­to, o con­su­mi­dor vai ter sub­sí­di­os pa­ra fa­zer a me­lhor es­co­lha. Ela dá exem­plo dos re­fri­ge­ran­tes di­et e light, que fa­zem pro­pa­gan­da da pe­que­na quan­ti­da­de de açú­car, mas não in­for­mam so­bre o só­dio. “A pes­soa que tem hi­per­ten­são não fi­ca sa­ben­do da quan­ti­da­de de só­dio e con­so­me o re­fri­ge­ran­te achan­do que fez a es­co­lha mais sa­u­dá­vel.” Por is­so, ob­ser­va Már­cia Di­as, a in­for­ma­ção so­bre o ris­co do con­su­mo do pro­du­to de­ve ser a mais cla­ra pos­sí­vel. Ela de­fen­de que es­tes pro­du­tos te­nham uma fra­se aler­tan­do pa­ra os ris­cos do con­su­mo, co­mo já é fei­to em re­la­ção aos pro­du­tos in­fan­tis.

Al­gu­mas em­pre­sas, es­pe­ci­al­men­te mul­ti­na­cio­nais, já ado­ta­ram no Bra­sil me­di­das que res­trin­gem a pro­pa­gan­da de ali­men­tos in­fan­tis. É o ca­so da Uni­le­ver e da Nest­lé, que não ve­i­cu­lam pro­pa­gan­das di­re­cio­na­das a cri­an­ças me­no­res de 12 anos. A Da­no­ne uti­li­za per­so­na­gens da TV em anún­cios de ali­men­tos que se­jam com­pro­va­da­men­te sa­u­dá­veis e o McDo­nald’s anun­cia os brin­des do McLan­che Fe­liz ape­nas uti­li­zan­do a com­bi­na­ção mais sa­u­dá­vel de seu car­dá­pio, com nug­gets de fran­go, su­co e ce­nou­ras no lu­gar das ba­ta­tas fri­tas.

A nu­tri­cio­nis­ta Lo­re­na Quei­roz de An­dra­de Vi­ei­ra é a fa­vor de uma con­tra­pro­pa­gan­da aos re­fri­ge­ran­tes. Ele enu­me­ra os fa­to­res per­ni­cio­sos à sa­ú­de: “Re­fri­ge­ran­tes não têm ne­nhu­ma fun­ção ali­men­tar, têm mui­to açú­car, por­tan­to são mui­to ca­ló­ri­cos e pro­vo­cam obe­si­da­de e cá­rie, ou têm mui­to só­dio, e ele­vam a pres­são”. No ca­so das cri­an­ças, o con­su­mo di­á­rio de re­fri­ge­ran­tes in­ter­fe­re no de­sen­vol­vi­men­to. “A cri­an­ça pre­ci­sa de vi­ta­mi­nas e mi­ne­ra­is que o re­fri­ge­ran­te não pos­sui. E gran­de par­te das fa­mí­lias tem o há­bi­to de ofe­re­cer re­fri­ge­ran­te pa­ra as cri­an­ças no al­mo­ço e jan­tar. Is­so ge­ra uma de­fi­ci­ên­cia de vi­ta­mi­nas na cri­an­ça”, diz.

Se­gun­do a nu­tri­cio­nis­ta, o ide­al se­ria in­ves­tir na pu­bli­ci­da­de das fru­tas e dos su­cos e “ape­nas even­tual­men­te, em ani­ver­sá­rios, con­su­mir re­fri­ge­ran­tes, as­sim mes­mo com mo­de­ra­ção”. Ela ga­ran­te que a pes­soa que be­be mui­to re­fri­ge­ran­te vai ter al­gu­ma do­en­ça fu­tu­ra. Além de co­lo­car nos ró­tu­los os ris­cos do pro­du­to, a nu­tri­cio­nis­ta de­fen­de uma cam­pa­nha so­bre edu­ca­ção ali­men­tar nas es­co­las pa­ra re­ver­ter a re­a­li­da­de atu­al. “É al­to o nú­me­ro de cri­an­ças de 4 e 5 anos que já apre­sen­tam co­les­te­rol al­to.”

Pa­ra o mé­di­co Ro­que Go­mi­de, pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Go­i­a­na de Pe­di­a­tria, a me­lhor hi­dra­ta­ção ain­da é a água, to­da­via ele ad­mi­te que é di­fí­cil im­por nor­mas sa­u­dá­veis à po­pu­la­ção por cau­sa da cul­tu­ra. “É di­fí­cil pro­i­bir a Co­ca-Co­la, que é um pro­du­to fos­fo­ri­za­do e, por is­so, pro­vo­ca a des­cal­ci­fi­ca­ção ós­sea se con­su­mi­do com fre­quên­cia.” Além de ter uma li­ga­ção di­re­ta com o au­men­to da obe­si­da­de da po­pu­la­ção. “Pa­ra a cri­an­ça, en­tão, é de­le­té­rio.”

O pe­di­a­tra de­fen­de que es­tes pro­du­tos ve­nham com aler­tas so­bre o ris­co de con­su­mo ex­ces­si­vo, co­mo ocor­re com o ci­gar­ro. “A pes­soa con­ti­nua fu­man­do con­sci­en­te do mal”, diz. Se­gun­do ele, o con­su­mo in­con­sci­en­te dos ris­cos traz com­pli­ca­ções mais tar­de. “Não são vi­sí­veis ago­ra, mas po­de al­te­rar o or­ga­nis­mo e apre­sen­tar do­en­ças no fu­tu­ro.”

Brasil está atrasado diante de outros países

Al­guns paí­ses já ado­ta­ram li­mi­tes pa­ra a pro­pa­gan­da de ali­men­tos pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes. Na In­gla­ter­ra, é pro­i­bi­da qual­quer pu­bli­ci­da­de de ali­men­tos com al­to te­or de gor­du­ra, açú­car ou sal di­re­cio­na­da a me­no­res de 16 anos e pro­pa­gan­da com de­se­nhos ani­ma­dos pa­ra pro­mo­ver es­ses pro­du­tos só po­dem ser ve­i­cu­la­das após as 20 ho­ras. Na Fran­ça, o Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de exi­ge que os va­lo­res nu­tri­cio­nais se­jam cla­ra­men­te des­cri­tos nas em­ba­la­gens, so­bre­tu­do se es­ses itens fi­cam pró­xi­mos de ze­ro. O pa­ís já es­tu­da ve­tar to­do ti­po de anún­cio de sal­ga­di­nhos e re­fri­ge­ran­tes na TV.

Na Su­é­cia e No­ru­e­ga, os anún­cios de do­ces e re­fri­ge­ran­tes di­ri­gi­dos a cri­an­ças me­no­res de 12 anos es­tão pro­i­bi­dos des­de 1996 e é pro­i­bi­da a pu­bli­ci­da­de de qual­quer ti­po de ali­men­to nos in­ter­va­los de pro­gra­mas in­fan­tis nos ca­nais de te­le­vi­são aber­tos. A Ir­lan­da apro­vou re­cen­te­men­te uma lei pa­ra re­gu­la­men­tar a pu­bli­ci­da­de no se­tor e, des­de abril, o go­ver­no exi­ge que ali­men­tos com al­to te­or de açú­car, gor­du­ra e sal tra­gam avi­sos nas em­ba­la­gens. No pa­ís, as ce­le­bri­da­des são pro­i­bi­das nos co­mer­ci­ais de co­mi­da con­si­de­ra­da pou­co sa­u­dá­vel.

Os Es­ta­dos Uni­dos ain­da não fa­zem res­tri­ções à pu­bli­ci­da­de des­tes ali­men­tos, mas es­sa tem si­do uma pre­o­cu­pa­ção de­mons­tra­da pe­lo pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma e pe­la pri­mei­ra-da­ma Mi­chel­le Oba­ma em seu pro­gra­ma de com­ba­te à obe­si­da­de in­fan­til, que tem co­mo me­ta re­du­zir o ín­di­ce de obe­si­da­de das cri­an­ças em 2030 a 5% da po­pu­la­ção in­fan­til, mes­mo ní­vel de 1970. Atu­al­men­te uma em ca­da três cri­an­ças ame­ri­ca­nas é obe­sa.

O pro­gra­ma in­ter­fe­re na ro­tu­la­gem dos ali­men­tos, no car­dá­pio da me­ren­da es­co­lar e in­clui in­cen­ti­vos pú­bli­cos pa­ra a dis­tri­bui­ção de ali­men­tos sa­u­dá­veis em to­dos os es­ta­be­le­ci­men­tos que ven­dem co­mi­da. No con­da­do de San­ta Cla­ra, na Ca­li­fór­nia, o McDo­nald’s e Bur­ger King são pro­i­bi­dos de dis­tri­bu­ir brin­que­dos jun­to com san­du­í­ches de al­to te­or de gor­du­ra.

Reportagem veiculada no Jornal Opção do dia 07 de Agosto de 2010

Texto de Andréia Bahia.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *