grafico-para-site

Ministério da Saúde confirma queda no número de transplantes no Brasil

As OSCs AMARBRASIL e PULSARVIDA já vinham alertando sobre os problemas e soluções para melhoria do setor. Em 2015, duas mil pessoas morreram na lista de espera por um órgão.  

O Ministério da Saúde prevê pela primeira vez, em 11 anos, queda no número de transplante de órgãos no Brasil. As OSCs AMARBRASIL e PULSARVIDA desde o ano passado vêm alertando sobre os problemas e apontando soluções para melhoria do setor. E, a cada ano milhares de pessoas morrem esperando pelo transplante de órgãos.

Especialistas da área de transplante consultados pela PULSARVIDA afirmam que os valores transferidos pelo SUS/FAEC (Fundo de Ações Estratégicas e Compensações) não estão cobrindo os custos referentes aos procedimentos de transplantes.

Estudos do Projeto PULSARVIDA (projeto sobre transplante de órgãos no Brasil) mostram que outra dificuldade é a oferta e captação de órgãos e tecidos para transplantes. A maioria dos hospitais no Brasil não possui infraestrutura adequada para notificação de morte cerebral, manutenção do corpo e facilidades para retiradas de órgãos e tecidos.

Importante. Reportagem do Jornal Bom Dia Brasil da TV Globo: Assista aqui

conexao

Rede de Comunicação AMARBRASIL conecta a sociedade às causas sociais

Os internautas podem se cadastrar por meio do site da ONG e ajudar na divulgação dos problemas e soluções sobre doação e transplante de órgãos no Brasil. 

Informações corretas podem salvar milhares de vidas. E, a AMARBRASIL, juntamente com  PULSARVIDA, sabem que quanto mais pessoas souberem e conhecerem sobre os problemas e soluções do Sistema Nacional de Transplante, melhor será sua atuação. Por isso, está formando a Rede de Comunicação para divulgação de informações relevantes sobre essa e outras causas.

Para se ter ideia, a lista de espera por um órgão só aumenta a cada ano. E, qualquer um de nós somos potenciais candidatos a fazer parte dela, ou até nossos parentes.

Anualmente 56% dos órgãos doados são jogados no lixo, porque não chega a tempo para serem transplantados nos pacientes e, milhares morrem na esperança do transplante.

Quando o problema é compreendido, ele entra na pauta social e a busca de soluções se impõe. A questão do transplante no Brasil, seu significado social, sucessos e fracassos precisam ser de conhecimento de todos.

Você é importante para está e outras causas da AMARBRASIL. Ajude na divulgação sobre a doação e transplante de órgãos no Brasil. Assim, dúvidas e boatos serão sanados, quanto mais pessoas souberem dessa nobre causa, mais vidas podem ser salvas.

Podemos contar com você? Faça seu cadastro aqui.

ultima-mao

Voluntário! Você é uma pessoa solidária?

Pedimos apenas um pouco do seu tempo nas redes sociais para divulgar informações que podem ajudar milhares de pessoas.

A AMARBRASIL é uma entidade não governamental sem fins lucrativos que não está associada a partidos políticos e nem recebe verbas governamentais para o seu funcionamento. Assim se mantém totalmente independente.

Projetos                                                                               

A instituição desenvolve no momento dois projetos. O Projeto PULSAR VIDA que tem como objetivo a melhoria e o aumento de transplantes de órgão e tecidos no Brasil. O outro é Projeto Paternidade AMARBRASIL, que visa qualificar a investigação judicial de paternidade.

Como ajudar

A estratégia principal dos dois projetos é a informação e divulgação em massa junto a  comunidade.  Por exemplo, o Dia Nacional de Doação de Órgãos, 27 de setembro, quando será feito uma campanha nacional para aumentar o número de doadores. Mas não bastam campanhas esporádicas sobre doação e transplante de órgãos e tecidos. As campanhas tem que ser permanentes.

Por isso, estamos formando uma rede de voluntários e ativistas nas mídias sociais para divulgação, não da AMARBRASIL, mas sim dos problemas e das soluções para transplantes no Brasil. Faz parte do trabalho promover a informação para facilitar a obtenção da identidade paterna, situação que atinge entre 17 e 20 milhões de brasileiros.

Nós não queremos dinheiro, mas apenas parte do seu tempo nas redes sociais, compartilhando as informações que podem ser acessados pela Fan Page do Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e site da AMARBRASIL. Por e-mail encaminharemos e receberemos sugestões. Confiamos na criatividade de cada um.

Cadastro de voluntários

Para se cadastrar acesse amarbrasil.org.br ou aqui

 

 

banne_3

AMARBRASIL e PULSARVIDA conquistam apoio de setores da sociedade

WhatsApp Image 2016-07-28 at 17

Os projetos e ações de interesse coletivo das duas entidades ganham força com parceria de autoridades e instituições.
A AMARBRASIL e PULSARVIDA já têm apoio de deputados federais e senadores. Entre os quais Sergio Reis, Roberto Sales, Vinicius Carvalho, Eduardo Amorim e José Medeiros. Além disso, ABTO e InCor. O objetivo é a execução do Projeto PULSAR VIDA, que busca a melhoria do Sistema Nacional de Transplante (SNT). Agora com o  SEBRAE de Goiás têm em vista um acordo de cooperação para desenvolver um modelo bem sucedido para profissionalizar os Estabelecimentos Hospitalares de Captação de Órgãos e Tecidos (EHCOTs) e as Comissões Infra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTTs).

O número desses centros hospitalares no país é baixo. São cerca de 600 estabelecimentos operando, e nem sempre com eficiência. Ambos são essenciais para o funcionamento do SNT, pois estão encarregados de identificar potenciais doadores, realizar exames clínicos e laboratoriais, fazer a devida manutenção do corpo e realizar a abordagem familiar para a autorização da doação de órgãos e tecidos.

A capacidade do Brasil é possuir aproximadamente 1.600 EHCOTs/CIHDOTTs. Conforme legislação, cada hospital com mais de 80 leitos é obrigado a contar com essas estruturas. Nesse quesito o país possui mais de 1.000 hospitais, que não tem a estrutura para captação, manutenção do corpo e de órgãos.

08

Como posso ajudar a AMARBRASIL e PULSARVIDA?

Os projetos e ações da ONG AMARBRASIL e PULSARVIDA são muitos, mas para continuar atuante seu apoio é fundamental.

Voluntariamente você pode ajudar ao seguir, curtir e compartilhar as informações de ambas as instituições publicadas na página do facebook, twitter e instragran.

Replicar também nas suas mídias sociais as notícias dos portais amarbrasil.org.br e pulsarvida.org.br para que mais pessoas possam conhecer o trabalho das duas entidades.

Cadastro de voluntários

Para se cadastrar acesse amarbrasil.org.br ou aqui e ajude a divulgar nas redes sociais.

Além disso, você pode depositar qualquer valor como forma de doação. Os canais para você doar são rápidos e simples, como o PayPal. E, ainda você pode se juntar ao nosso grupo de trabalho.

Projetos de impacto social 

AMARBRASIL e PULSARVIDA estão juntos no Projeto PULSAR VIDA, que busca melhoria para a área de transplantes de órgãos. Aumentar a oferta e aproveitamento de órgãos sólidos: rim, coração, fígado, pulmão, pâncreas e outros.

A PULSARVIDA está desenvolvendo o Projeto Gestão do Conhecimento Escolar e da Comunidade, visando disponibilizar amplamente o ensino através das Tecnologias da Informação e da Comunicação.

E, a AMARBRASIL com o Projeto Paternidade, que busca facilitar a identificação por exame de DNA, por meio de banco de dados pós-morte, federalização das investigações, fim do segredo de justiça e uso do processo judicial eletrônico.

 

Vamos juntos manter estes projetos ativos. Com você podemos mais!

 

 

 

capa2

Fim do segredo de justiça na investigação de paternidade

Quebra do segredo de justiça nas investigações de paternidade por exame de DNA e o Processo Judicial Eletrônico.

O número de 10,5 milhões de eleitores sem identificação do pai informado à AMARBRASIL pelo TSE1 levou a entidade a defender proposta2 pela federalização da investigação de paternidade e criação de um cadastro nacional de identificação por exame de DNA de material coletado após a morte do cidadão, do ser humano, em território brasileiro.

Em aprofundamento ao tema e em favor dos objetivos a serem ultimados com estas propostas deve ser levantado também o questionamento à constitucionalidade do sigilo ou “segredo de justiça” nos processos de investigação de paternidade por exame de DNA e/ou paternidade afetiva.

Todos quantos operam ou já operaram em processos desta natureza não tem receio de dizer que, na maioria dos casos, o segredo imposto aos atos do processo está a proteger a intimidade da irresponsabilidade, da indignidade, da psicopatia social e patrimonial, não da criança, da cidadania ou da família.

O sigilo em tais casos tem origem na Lei 883 de 1949, que impedia o registro de filho fora do casamento, mas, em segredo de justiça, autorizava a ação de prestação de alimentos. A lei foi revogada em 2009, mas o novo CPC, no item II, do art. 189, manteve a obrigação do sigilo.

A identificação da origem biológica ou determinação da paternidade afetiva da criança ou do cidadão é interesse e ação de Estado, afeto à formação da raiz da sociedade e do Estado Brasileiro, de resgate da dignidade humana, de fundamento e construção da sociedade livre, justa e solidária prevista nos artigos 1º, II, III e 3º, I da Constituição da República.

O concreto dos números do TSE e a informação de que entre 500 e 600 mil crianças, por ano, são registradas sem identificação paterna, por si só dão conta de que o sigilo processual nos casos de filiação deve ser “ordenado, disciplinado e interpretado, conforme os valores e as normas fundamentais estabelecidos na Constituição da República Federativa do Brasil” (Art. 1º do novo CPC).

O segredo de justiça na investigação de paternidade deve ser exceção, e não regra geral, cabendo invocar, nas ações individuais, a declaração “incidenter tantum” de inconstitucionalidade parcial do item II, do art. 189, para excluir o sigilo como regra absoluta do processo.

Os motivos são os objetivos e os fundamentos determinados como base para a construção da sociedade brasileira, da nossa República, expostos nos artigos 1º, II, III e art. 3º, I da Constituição, e art. 1º do novo CPC.

Para a hipótese, tanto pesa o concreto do caso individual, quanto o coletivo de 17 a 20 milhões de brasileiros sem identificação paterna.

A norma constitucional de raiz e o concreto dos casos assim vistos, também deverão autorizar aos Juízes aplicar o Princípio da Conexão na investigação de paternidade no ambiente do processo judicial eletrônico (PJ-E).

Com o PJ-E e o Princípio da Conexão será possível a formulação de ações de investigações de buscas permanentes de identidade parental por DNA. Órgãos do Judiciário e da Advocacia poderão requerer e acessar cadastros de identificação genética por exame de DNA em todo o país e de todos os processos.

Vem aí uma revolução nos processos de investigação de paternidade no Brasil.

Uarian Ferreira

Advogado e Superintendente da AMARBRASIL

1.http://www.amarbrasil.org.br/wp-content/uploads/2016/04/o-TSE-respondeu.pdf

2.http://www.amarbrasil.org.br/2016/04/04/investigacao-de-paternidade-amarbrasil-busca-solucoes/

 

capa3

Investigação de paternidade: AMARBRASIL busca soluções

Cadastro Nacional de Identificação por exame de DNA pós-morte e a Federalização da investigação de paternidade

É na advocacia individual que a AMARBRASIL1 encontra os casos para a formulação de suas ações coletivas2. O caso do cidadão Cláudio Pablo Pinheiro Câmara3, 36 anos, dos quais 30 pelejando na justiça pelo conhecimento de sua origem biológica e/ou reconhecimento de paternidade afetiva é um desses.

O drama vivido por Pablo motivou pesquisa cujos dados iniciais revelam quadro gravíssimo de impedimento ao processo de resgate da dignidade de pelo menos outros 17 a 20 milhões de cidadãos brasileiros. Quadro de impedimento da efetividade e da construção da sociedade justa e solidária proposta como fundamento e objetivo da nossa República (Arts. 1º, III e 3º I, da CRFB).

Em 12 de maio de 2015 a AMARBRASIL perguntou ao TSE4 “qual o número de cidadãos cadastrados como eleitores em todo o Brasil” e “desse número total, quantos eleitores não tem a identificação do nome do pai, ou seja, tem apenas o nome da mãe na parte de identificação dos genitores”. No dia 26 o TSE respondeu5: – do total de 142.257.487 de eleitores, 10.518.682 não tinham o nome pai em suas identificações cadastrais, ou seja, 10,5 milhões de eleitores brasileiros não possuem identificação paterna, não tem reconhecidos pais afetivos e nem biológicos.

No Estado do Maranhão o quadro é de lesa humanidade, 21,83% dos cidadãos eleitores, não possuem a identificação do pai em seus dados cadastrais.

A cultura da resistência por anos e anos de recursos e incidentes nos processos investigatórios, administrativos ou judiciais, destruindo a oportunidade de reconhecimento da paternidade afetiva ou frustrando o conhecimento da origem biológica é ato dos mais perversos que se pode infligir ao cidadão brasileiro. É ato de lesão à mais profunda identidade do cidadão, da cidadania, da sociedade brasileira. É ato de lesa humanidade. De flagrante ofensa aos objetivos e fundamentos de efetividade da República Federativa do Brasil.

Em janeiro de 2015 a Rádio Câmara6, numa entrevista com a Prof. Ana Liési Thurler (UNB),  especialista no assunto, divulgou que a cada ano entre 500 e 600 mil crianças, recebem a certidão de nascimento com o “nome do pai em branco”, “são filhos apenas da mãe”, e que esse número fora obtido com o cruzamento de dados fornecidos por cartórios de registros civis e IBGE.

Em maio do mesmo ano o portal Direitos das Crianças e dos Adolescentes da Bahia7 veiculou notícia de que “de acordo com informações do IBGE, na pesquisa Estatísticas do Registro Civil (2011), 30% das crianças nascidas no Brasil ficam sem reconhecimento paterno. Isso significa que, das 2.809.052 crianças nascidas vivas por lugar de residência da mãe em 2011, mais de 800 mil não tiveram o nome do pai na certidão de nascimento.”

Ao par desta notícia, também em maio de 2015, a AMARBRASIL perguntou ao IBGE8 “qual o número de número de crianças registradas, total e de cada Estado da Federação, nos anos de 2011, 2012, 2013 e 2014, que não tem a identificação do nome do pai, ou seja, tem apenas o nome da mãe na parte destinada à identificação dos genitores na certidão de registro de nascimento?”.

O IBGE respondeu9 que “as estatísticas do registro civil não coletam a informação de nome do pai ou da mãe” e que “a única informação coletada a respeito do pai é o local de nascimento deste (Unidade da Federação ou país)”, “que seria um erro fazer alguma aproximação de ausência de registro do nome do pai a partir desses dados” e, também, que “não reconhece a estimativa” publicada no portal “direitosdascriancasba.gov.br”.

Dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com base no Censo Escolar de 2011, apontavam 5,5 milhões de crianças brasileiras sem no nome do pai na certidão de nascimento. Foi o que noticiou a Revista Exame10, em agosto de 2013.

Seguramente, entre dez e dezoito por cento da população brasileira não possui identificação paterna nos registros civis, são filhos unicamente da mãe. Pedidos de informações sobre esse tema parece não ser bem entendido pelo IBGE, o que pode ser visto pelo conjunto das “interlocuções” da AMARBRASIL com o órgão.

A identificação da origem biológica ou determinação da paternidade afetiva do cidadão é interesse afeto à formação da raiz do Estado Brasileiro, de fundamento da sociedade livre, justa e solidária prevista nos artigos 1º e 3º da Constituição da República.

Nesse contexto, não deve ser dos Estados, nem da Justiça Comum, mas sim da União, das Defensorias Públicas Federais, do Ministério Público Federal e da Justiça Federal, a responsabilidade, os custos investigativos, a competência e jurisdição dos atos destinados à garantia, realização e consecução da identificação biológica e/ou reconhecimento da paternidade afetiva das crianças e cidadãos brasileiros.

– O cidadão morto, de quem é o corpo?

Em alguns países, declarada a morte encefálica do cidadão, o corpo é do Estado, que tem prioridade para avaliar e retirar órgãos, tecidos e ossos para transplantes. Só depois destes procedimentos é entregue à família.

Só com os números informados pelo TSE vê-se a necessidade de criar um cadastro nacional de identificação biológica por exame de DNA, através da coleta de material genético do corpo após a morte do cidadão. A urgência de se criar instrumento que dê efetividade ao conhecimento, à investigação da origem biológica paterna, ao resgate da dignidade de milhões de crianças e eleitores brasileiros, ao exercício de realização da sociedade solidária, propostas como objetivo e fundamento de construção da República Federativa do Brasil.

Com esta abordagem resumida a AMARBRASIL está convidando11 e dando início à formação de grupo voluntário interessado em estudar a ideia e a possibilidade de construção de Ação Civil Coletiva e/ou Projeto de Lei de Iniciativa Popular e/ou criação e Frente Parlamentar voltada para a defesa e/ou discussão da federalização dos atos e dos processos de investigação de paternidade afetiva e biológica, bem como a criação de um banco de dados ou cadastro nacional de identificação genética por exame de DNA, de material biológico coletado dos cidadãos falecidos em território brasileiro, e brasileiros no estrangeiro, banco este mantido e gerenciado pela União Federal.

Com este cadastro nacional, matematicamente, em 25 anos de coleta, o número de brasileiros sem identificação paterna no registro civil cai para zero ponto. Por certo, Pablo Câmara, aos 25/30 anos, se existisse em tal tempo um cadastro desta natureza do Brasil, já teria obtido do Estado resposta e prova de sua origem biológica paterna; e por aí muito mais humanidade.

1. http://www.amarbrasil.org.br/about/

2. Ações coletiva

a) http://jus.com.br/peticoes/16527/acao-popular-contra-universidade-por-suposta-fraude-na-aquisicao-de-imovel-por-comodato
b) http://www.amarbrasil.org.br/wp-content/uploads/2014/11/jornalamarbrasil.pdf
c) http://s.conjur.com.br/dl/determinacao-conselho-nacional-justica.pdf
d) http://www.conjur.com.br/2010-jan-02/cnj-limita-emprestimo-servidores-executivo-judiciario
f) http://www.conjur.com.br/2010-jul-15/resolucao-anvisa-expoe-demonstracao-poder-associacoes
g) http://www.valor.com.br/arquivo/862775/supremo-definira-limite-de-multas
h) http://www.conjur.com.br/2010-jul-07/maquina-estatal-usada-reprimir-aterrorizar-produtores
i) http://www.brasil247.com/pt/247/goias247/112516/Telefonia-m%C3%B3vel-no-Brasil-pirataria-sonega%C3%A7%C3%A3o-e-transoceanismo.htm
j) http://www.valor.com.br/legislacao/2723632/empresas-de-telefonia-movel-devem-guardar-dados-de-caixa-postal
l) http://www.amarbrasil.org.br/wp-content/uploads/2013/07/Doc-01-C%C3%B3pia-da-Peti%C3%A7%C3%A3o-Inicial-A%C3%A7%C3%A3o-Civil-Coletiva-AMARBRASIL-x-Telef%C3%B4nicas-SMP.pdf
m) http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=38301&sid=9
n) http://epocanegocios.globo.com/Informacao/Acao/noticia/2015/03/como-funciona-o-mercado-de-envio-em-massa-de-sms-feito-sob-medida-para-atazanar-sua-vida.html
o) http://www.amarbrasil.org.br/2013/05/12/titulos-antigos-no-site-do-tesouro-direto/….

3. IstoÉ Cláudio Pablo Pinheiro Câmara

4. Perguntou ao TSE

5. o TSE respondeu

6. http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/galeria/audios/2014/06/cerca-de-20-das-certidoes-no-brasil-trazem-apenas-o-nome

7. Portal Direitos das Crianças e dos Adolescentes da Bahia

8. IBGE 1 Resp Ped Inf 14 05 2015 AMARBRASIL

9. IBGE

a) IBGE 2 Resp Ped Inf 03 e 10 07 2015 AMARBRASIL
b) IBGE 3 Anexo da AMARBRASIL reitera ped de inform 03 07 2015
c) IBGE 4 Resps Recurso AMARBRASIL 27 07 2015

10. http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/brasil-tem-5-5-milhoes-de-criancas-sem-pai-no-registro

11. imprensa@amarbrasil.org.br


bnImg6

Como ajudar

Você pode ajudar a AMARBRASIL com relatos e provas de fatos ofensivos à cidadania, ao meio ambiente e à democracia na sua localidade ou na sua área de conhecimento profissional.

Objetos da Amarbrasil

 


A AMARBRASIL é uma entidade associativa não governamental, sem fins lucrativos com atuação em qualquer lugar do Brasil. A AMARBRASIL tem por objetivo e finalidade promover administrativamente e/ou judicialmente, inclusive como substituto processual de seus atuais e futuros associados e/ou representados e/ou mandato que lhe for outorgado, a DEFESA…